terça-feira, 23 de abril de 2013

Cursilho IBT

Há poucos dias, tive uma experiência fantástica. Uma pessoa de quem muito gosto, mas de quem discordo de quase tudo, me convidou para um tal cursilho da Igreja Batista. Depois de muito relutar, decidi ir. Aproveitei ao máximo o que poderiam me dar naquele ambiente repleto de coisas das quais não gosto: crentes, orações e gente casta. 

É incrível como, de onde não esperamos nada, vem aquilo que mais pode nos surpreender. O cursilho é um evento que se assemelha a um EJC da Igreja Católica. Difere por ser em um hotel isolado da cidade, e ter apenas homens, e nem só jovens. O que ocorre lá dentro, que não deve ser revelado, para não estragar a magia de quem se atrever a experimentar, toca deveras a sensibilidade do mais gélido humano. 

A minha crença e a minha religiosidade não sofreram alterações. Mas a minha espiritualidade, sem dúvidas. Algumas palavras são fundamentais de serem citadas, quando o assunto for esse cursilho: 

- RENÚNCIA 

- SERVIDÃO 

- GRAÇA 

Lá deu pra notar que: 

-nem todo crente veste terno e não depila o sovaco; 

- os crentes contam piadas e riem muito. Alguns até tomam um uisquezinho de leve; 

- nem todo crente passa o dia tentando evangelizar você. 

Muito do que eu tinha a dizer sobre o assunto, acabei falando em outras plataformas, e a linha argumentativa acabou saturando. Muito do que gostaria de dizer, não pode ser revelado. 

Acabo que digo só uma coisa, em forma sintética: quando o convidarem para um evento de uma tendência com a qual você não simpatiza, não oferece resistências. Vá de peito aberto, coração leve e desfrute. O mínimo que acontecerá é você refletir sobre o convívio com o divergente. 



Um comentário:

Débora Arnaud disse...

Hummmmmm... Gosta muito e discorda de quase tudo???
Seja bem vindo para os outros eventos...